segunda-feira, 29 de abril de 2013

Interlaken, no traço


O autor, Wagner Beegola Gonzales, acha que tem que melhorar o traço e bla bla bla... Eu acho que já tá bom assim. Esse é um dos primeiros sketches dele usando mesa digitalizadora. 

Nada se perde. Nem os primeiros testes de equipamentos ou midias novas. Esse aí perigas virar camiseta. Eu faço virar. 

He he he...

Painting

Já me pediram pra mostrar como é feita a pintura de tanque de gasolina de moto ou de capacete, que são normalmente mais detalhados, mas nunca quis parar pra fotografar a cada passo. Achei o video a seguir, que é bem explicativo.


E... aprendi finalmente a "colar" videos do Vimeo, que tem sempre ótima qualidade.

Making of

De vez em quando acompanho algum teste pra alguma revista, geralmente cumprindo uma função que só quem gosta de andar de carro ou moto compreende, que é dirigir.

Eventualmente fotografar.

Foi o caso do teste de 1.000 km da Suzuki V Strom 650A.

Essa moto aqui:


Na moto, Eduardo Zampieri, aka Minhoca. Em volta da moto, um kit que custa R$ 4.000,00, que compreende umas bolsas (4 delas) de "prástico" e a estrutura que as suporta, um protetor de alumínio pro motor e pro escapamento (tá certo, vai, que é bem estiloso), um parabrisa gigante e o freio ABS, acho.

Quatro paus...

Normalmente esses testes tem produção barata. Mas mais ou menos barata, que eu não como feijão com arroz e nem carne vermelha. Então a conta já aumenta um pouco por conta da minha comida, que não é "comercial".

He he he...

O outro integrante da pequena trupe é o imprescindível fotógrafo. No caso, o competente Rodrigo Nikon Zaim:

Lente de 300 mm fixa. Lente fixa é pra pouca gente.

"Normalmente a gente usa pro apoio algum carro que esteja sendo testado por outra revista da editora, mas dessa vez não tinha nenhum disponível." O futuro imediato apontou então para 1.000 km à bordo do...

Primeiro de vários reabastecimentos.


...Bongolino!

Sim! Um Kia Bongo VAZIO. Apesar de poder transportar mais de 1.000 kg na sua vasta e devassada caçamba, fomos eu, Rodrigo Zaim, nossas bagagens e bagagens do Minhoca pulando dentro da apertada boleia do caminhãozinho.

Só o Bongolino já justificava eu querer dirigir um monte de quilômetros em dois dias. Fazia tempo que não degustava (se é que isso é possível) um motor diesel, ainda mais um desse tipo, turbocomprimido, common rail relativamente recente, de alto giro e ótimo desempenho.

O carro de apoio nessa pauta tem apenas essa função: apoiar o jornalista-que-cumpre-quilometragem com a moto. Eventualmente é usado para imagens feitas com o tema em movimento, que foi o caso. E eu guiei o câmera car (nome pomposo pro Bongolino) porque não tinha mais ninguém disponível e por já ter feito uma sessão de fotos bem parecida. Bem parecida mas que ficou uma merda um lixo não por ter sido eu o fotógrafo mas porque o motorista do câmera car (uma pickapona americana) não era capaz de dirigir suavemente. Mas este é outro assunto.


O percurso do teste é bem interessante: Imigrantes até o Guarujá, daí pela BR 101 até Ubatuba, então serra de Taubaté até São Luis do Paraitinga, adiante até Campos do Jordão, daí até Santa Bárbara d´Oeste e de volta pra São Paulo. É interessante porque é cheio de locações legais como esta aqui:


É a simpática ponte de Barra do Una, único vilarejo que tinha posto de gasolina (na verdade uma vendinha com uma bomba na porta) em boa parte do litoral norte do estado de São Paulo. Essa pinguela não tinha esses "corrimões" verdes. E uma vez, tendo esquecido o "traçado" e acreditando que a pinguela ficava adiante mais umas três curvas, entrei nela absolutamente de lado com um Fiat 147. Isso lá em 1983 ou 4. Não vem ao caso agora mas ambos sobrevivemos.

Lá no fundo, Ilha Bela:


Enquantos uns trabalham, outros esperam.


Ou passeiam...


Na manhã seguinte...

Vista da varanda da pousadinha legal pra caramba.
Chuva!

Chuva obriga que se tome atitudes sérias:

Saco plástico no pé apenas retarda o inevitável...

Eu é que não saio de dentro do Bongolino. Não botei saco plástico nos pés...



Bom mas, e a moto? Sobre a moto quem fala é o Minhoca, na revista Motociclismo. Vão lá comprar.

Update: As ótimas fotos do Zaim estão aqui. Só clicar em 'fotos'.

Páez, Adolfo




domingo, 28 de abril de 2013

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Meg


John Bonham ou Meg White?


Hum... Meg White.

(Não achei esse video sem legendas. Sorry)



quinta-feira, 25 de abril de 2013

Passat!

Eu já tinha dado a deixa aqui. Pois então, tá aqui o premio:


Muito legal o projeto gráfico desse livro. E o Passat da capa tem placa preta, cuja vistoria foi feita por mim.

Segura na mão de deus e vai...

...sem perder o foco e a fé.

Foto roubada do www.eusoufotografo.com

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Le Mans, 1955


Não tem muito o que falar sobre o filme. Como tem quase uma hora, o link é esse aí embaixo:

Clicar aqui para assistir com boa qualidade porque é Vimeo.

Só uma coisa: vale cada segundo. E dos 30 minutos pra frente, vale em dobro cada segundo.

CN 36

Faz tempo que eu tava procurando uma foto legal do velho e bom Pirelli CN 36. Achei uma, de época, no rol de fotos de um concurso fotográfico do qual também participei.

Alá o CN 36 montado no que tinha de mais legal à época (1977 a 1978), que era o Passat TS na cor verde mantiqueira:


Resolvi mostrar essa foto desse carro e com esse pneu lindo de morrer porque tenho pensado na evolução enorme dos carros fabricados hoje em relação a esse aí da foto acima, que era o paradigma da época. Pra ser bom mesmo, tinha que andar e fazer curva tão rápido quanto ou melhor do que um Passat TS.

E ter os pneus CN 36, que foram os melhores por certo período. Especialmente os CN 36 5 Estrelas, de competição. Só que comparados com qualquer radial hoje, são muito piores por oferecerem muito mais atrito de rolamento, serem mais ruidosos e se desgastarem bem mais rápido.

Aliás, não falta muito pra um carrinho popular de 1.000 cc andar tanto quanto um TS, que tinha 96 hp SAE. A potência extraída dos pequenos motores de hoje já emparelham com a dos Passat LS de 1.500 cc...

É. A fila anda.

By the way, eu "ganhei em segundo" este concurso com esta foto aqui:


Deixei a marca nas fotos de propósito. Foram esses caras que organizaram o concurso.

Update: pra quem quiser ver todas as fotos desse concurso, o link facebookiano é esse aqui

Lapiseira, papel e mais nada.

É o que precisa Joe Fenton pra fazer isso:


O site do cara tá aqui neste link.


sexta-feira, 12 de abril de 2013

Modo manual

Olha só que legal o que o fuçador Cau Saraiva descobriu: um site da Canon (tudo bem, vai, que não é da Nikon) que tem regulagens manuais pra treinar o resultado das fotos. Aqui nesse link.




The Priapism

Bom, foi Yannick Sire, o cara que projetou e construiu esse rat rod, que deu esse nome pra ele. Não é minha culpa em absoluto.

Estamos falando desse rat aqui:


Mas... dois motores? Isso mesmo, dois motores Chevy 350 preparados, com 450 hp cada. Daí o nome que o cara deu pro carro, acho. Imagino o que deve acontecer quando se enfia o pé no acelerador que comanda 900 hp...

O cara quis sair do lugar comum em rat rods, que costuma ser motorzão e só isso, com muito estilo e sem driveability. Então saiu à cata de peças legais pra botar num chassis de treliça. As rodas, por exemplo, vieram do BMW X5 e são grandes.

Pra juntar os dois motores o cara usou uma junta elástica de eixo cardã de um Pontiac GTO modificada e balanceada. Ele mesmo mostra isso nesse video aqui

O carro, divertidíssimo pelo que parece, é uma salada de marcas e estilos. Combina uma suspensão push rod bem legal na frente com um eixão rígido Dana 60 na traseira. Tudo bem que a disposição dos componentes na suspensão traseira não é convencional e conta com paralelógramo de Watt pra manter o eixão na mesma posição relativa sempre. A capota é uma combinação de duas de Karmann Ghia.

Dificilmente esse carro será levado pra alguma pista com curvas, mas linha reta anda muito bem:


Tem bastante info sobre o Priapism na Hot Rod e bastante video no Youtube



F1


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Lousy shifting


Legal a atitude do dono do carro em emprestá-lo pra uma revista (no caso, a conceituadíssima Road & Track). Mas bem que podiam ter chamado um piloto mais acostumado a caixas de câmbio Hewland.

Olha só o comentário do filho do dono do carro: "As the son of the owner of the Lotus, I find it very irritating that you guys didnt find a driver who actually knew how to use an H pattern gearbox... Rossi is absolutely SHIT at shifting."

terça-feira, 9 de abril de 2013

Copersucar, early days

Os ótimos videos a seguir foram, claro, catados no cada vez mais imprescindível Youtube. Foram postados por Adriano Favetta. Tem mais um monte de videos postados por ele da F1, quando era legal.

Esses são, na ordem, de um dos últimos testes do Copersucar FD 01 antes de embarcar pra Argentina. Esse eu não tinha visto ainda e é o máximo. O outro é do mesmo carro pegando fogo na tierra de la campera e de los guantes. 


video

Ah, sim. Roubado daqui.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Moto3

Por acaso assisti à primeira etapa do mundial de MotoGP. Achei, claro, o máximo ver o velho Valentino Rossi, já com 34 anos, fazendo uma prova magistral e vindo lá de trás pra garantir o segundo lugar, atrás de seu companheiro de equipe, cujo nome não vem ao caso por se tratar de um moleque de 20 e poucos anos.

He he he...

Velho segundo Eduardo Zampieri, jornalista especializado, também já dentro dessa classificação apesar de muito mais novo que eu.

Mas isso não tem a menor importância.

Como todo mundo sabe, estou montando (faz tempo) uma cafe racer baseada numa velha Honda CG 125 1981. E como todo mundo sabe também, motos com motores pequenos me são muito atraentes. Tanto que depois de ter passado o choque inicial da proibição dos motores de dois tempos em corridas, sendo que a última corrida de Moto3 ainda com motores 125 cc de 2T aconteceu no ano passado, fiquei bastante interessado nos novos motores de 250 cc de 4T.

E mostro aqui a foto da versão de corrida da Honda, coisa mais linda:


Especificações, claro, vocês acham na internet facilmente.

E aqui, um treino com uma Moto3. Até que andam bem, essas motocicletinhas. Alá uma Hondinha treinando:

video

Subway sax battle


Vedadores, molas e pratinhos

Tem que tirar o cabeçote do motor pra poder trocar vedadores de válvula, molas e pratos de mola, né?

Tem nada. Já tinha visto isso acontecer antes numa oficina de restauração de motos, onde fizeram uma ferramenta parecida com a que tem nesse video.

Mas me parece, agora, ser mais comum do que eu imaginava.

Alá:

video


Rush


Ainda demora. É pra setembro, só.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Manipulação de imagens

Bastante gente diz que photoshopo muito minhas fotos. Mas acho que não. Esse cara aqui photoshopa bastante:



Shawn van Daele, é o cara, e o site dele é esse aqui. Vale muito a visita.

Lunch time

Super heróis tem direito a Fundo de Garantia e descaso semanal remunerado? E fazem o quê durante as pequenas pausas durante o expediente?

Peguei à esmo duas imagens onde Greg-Guillemin mostra:



Tem uns prints de várias imagens neste site aqui. Pra vender. Entregam no Brasil.

Placa preta


Esse carro está à venda. É um Porsche 914-4, que como todo mundo sabe...


...tem motor dianteiro e refrigerado à água.

Na verdade os VW Porsche 914 tinham motor VW refrigerado à ar e montado entre-eixos (entreeixos, nomeiodocarro). E agora?


Esse carro aí tem placas pretas. Então deve estar correto, não?