sexta-feira, 30 de março de 2012

Vette in a box

Enquanto isso, num porto em NY, um Corvette é embalado cuidadosamente pra ser enviado pra algum lugar no sul do Brasil.



quinta-feira, 29 de março de 2012

Citroën 2cv

Carros legais produzidos por muito tempo acabam sucumbindo ou por razões legais, como a exigência boba de freios ABS e air bag no Brasil a partir de 2014, o que vai matar a Kombi e o Uno, ou por razões de custo e racionalização de produção.

O Deux Chevaux morreu por causa de tudo isso. Mas olha só que legal como era feito esse carrinho na planta de Portugal em 1990:


Algumas coisas não pode parar de fabricar nunca porque acabam virando ícones.

Será que o isqueiro Zippo vai ter que ter ABS também? 

Moldando alumínio

Fazer tanque de gasolina (ou uma capa pra ele) em fibra-de-vidro é mole. Olha só o trabalho que deu esse de alumínio:



Esse cara teve tempo e principalmente paciência pra planejar, dobrar, soldar e lixar cada parte do tanque. O bocal da gasolina então é o máximo.

Tem gente que tem muita habilidade e muita, mas muita paciência.

Dinheiro & Carros


Kindness, of course

2009 Monterey Historics, Laguna Seca, Porsche 908, Brian Redman.

A pista é fantástica. Curta, rápida (só tem uma curva feita em primeira marcha) e onde está a mítica Sacarrolha (Corkscrew), reverenciada por todo e qualquer ser humano que tenha pilotado lá.

O carro dispensa apresentação. Mega eficiente à sua época em corridas de longa duração e, convenhamos, lindíssimo nas suas primeiras versões. Esse do video não é tão gracioso quanto as versões 1 e 2 mas é ainda mais letal em pistas com retas curtas.

E o piloto, bah! Acompanhei por muito tempo o campeonato mundial de marcas e Mr. Redman nunca fez parte dos meus pilotos preferidos.

Até agora.

Este senhor de mais de 70 anos é um gentleman driver no sentido correto da expressão. Ele cuida do carro enquanto guia. É gentil no manuseio. Suave nos comandos. Nenhum movimento brusco. Nenhum!

Claro que se trata de um evento mais comemorativo do que esportivo. Mas mesmo assim, carro de corrida tem mais é que correr. E de preferência pilotado por quem sabe como fazer isso.



terça-feira, 27 de março de 2012

Mondo cane



Já falei aqui sobre grandes pancas e sua influência sobre a pilotagem. Porque tem influência. Pelo menos por um tempo. Isso se a gente não perder um pedaço do corpo ou a vida mesmo, quando a influência é perene e imutável, no segundo caso.

Contei minha experiência e como encaro isso agora, muito tempo depois da minha grande panca (na pista porque fora teve mais. Mas isso é outra história). Hoje prefiro treinar, só. E de preferência sozinho na pista pra eliminar a indecisão que rouba um ou dois décimos por conta de não se poder antever uma situação potencialmente perigosa, eventualmente. (Só que eu corro de kart e carro se me convidarem, claro)

Mas tem um cara que não tá nem aí com isso e pra falar a verdade deve estar ainda mais rápido do que antes da mega panca que deu em 2001 num circuito oval, andando com um monoposto de indy.

Pra falar a verdade acho até que esse cara tira vantagem disso porque perdeu grande parte das duas pernas. Em termos práticos, aproximadamente 11 a 13 kg, levando em conta que sobrou uma boa parte dos dois fêmures e músculos das coxas. Tô me baseando na estimativa média de 12% do peso do corpo de uma pessoa de 70 kg e levando em conta que não foram as duas pernas inteiras decepadas. Desse modo, é lícito falar em aproximadamente 8,5 kg por perna, onde 70% de cada uma sumiu.

Isso faz diferença, pra quem pilota. Peso sempre faz diferença.

Pernas ajudam na pilotagem. Muito. Mas não é a falta de uma ou duas que vai impedir um cara que sabe guiar de continuar fazendo isso, como é o caso do Alex Zanardi.

Alá:

Não preciso dizer que os pedaços vermelhos voando não são do carro #66

Mondo cane. 

Eu avisei.

Depois disso o Alex Zanardi passou andar de saloon car, dentre outras modalidades:


Vermelho acelera e verde freia? Er... não.



Eu mesmo já dirigi automóveis menos de 30 dias depois de ter sofrido um severo acidente que quase me manda encontrar o Criador antes da hora e que praticamente inutilizou o pé do freio (do kart) e danificou severamente o antebraço que troca de marcha (do carro), sem contar os danos consideráveis em ossos importantes na junção da perna do freio (do kart) com o resto do corpo. Ainda assim dá pra andar e bem rápido.

Pilota-se mais com a inteligência (e com o Chi, claro) do que com o corpo. O corpo ajuda porque acaba por setorizar os inputs dados no carro/kart. Cada membro se ocupa de uma ou duas funções. Mas nada impede que se execute várias funções com menos membros.

Mais do que isso, pilota-se com a vontade férrea de andar rápido e fazer tudo certo. Isso não falta ao Alex Zanardi, garanto. 

Nem a mim.



As fotos da panca com indy car foram enviadas por Roberto Henrique Taborda. As outras peguei a esmo, como sempre.

John, Yoko e... Frank Zappa

Ou, como foder com o encontro de dois gênios.

Alá:

Out of hell


Perfeito. Dizer o que mais?

segunda-feira, 26 de março de 2012

F 1(000)


Alguém sabe alguma coisa sobre essa "Formula 1000"? Isso pra mim é novidade. De qualquer jeito, detestei gostei do estilo cowboy de pilotagem do cara que tá dentro desse provável Fiat Uno, parando o carro no motor e deixando o giro ir pra onde quiser.

Kimi is back

Já disse algumas vezes que não perco tempo vendo corrida de formula 1. Muito menos discutindo o assunto sob o aspecto esportivo. De vez em quando presto atenção em alguma evolução técnica - notadamente aerodinâmica. E só.

Mas resolvi que vou prestar atenção no Kimi Räikkonën. Deve-se acompanhar de perto um cara que faz isso:


Tem um outro sujeito que também leva a vida do mesmo jeito.

Segura na mão de deus e vai (mas não vai dar certo)

quarta-feira, 21 de março de 2012

Aerodinâmica

Aerodinâmica a gente não vê. Não tem como ver o ar fluindo por um corpo que se move. Mas isso é detectável. Quem conhece e estuda o assunto, tira vantagem. E como!

Mas fica difícil imaginar esse estudo no começo do século passado sem as facilidades tecnológicas de hoje. Vender essa idéia, ou, a idéia de que aerodinâmica traz benefício, era coisa pra gente revolucionária. Quase como jogar pérolas aos porcos.

Mas essa ação de marketing da Chrysler foi demais:


As vendas desse carro foram um desastre, claro.

Sem piedade...

...da linda Triumph.

He he he...

O filme é ótimo, mas recomendo desligar o som até 0:58. (É que não aguento mais ouvir Stairway to Heaven e imagino que mais gente esteja empapuçada disso)


Ah, sim. Alguém pode pensar se não seria melhor enfiar uma dirty bike onde o cara enfiou a linda Triumph. É, mas... e o estilo? Dirty bike tem estilo igual essa Triumph?

Dangerous place

Já falei que não gosto de provas de arrancada (aka drag racing). De qualquer jeito, o desenvolvimento dos carros que só andam em linha reta e por poucos metros é digno de nota.

Peguei uma foto a esmo pra mostrar como era nos anos sessenta, na categoria que hoje é conhecida por top fuel.

Alá que bizarro onde o cara vai sentado:

A bola preta é o diferencial. Isso costuma quebrar.

terça-feira, 20 de março de 2012

24 Horas

Tem três filmes que eu gosto de verdade. Esse é um deles. Sem mais perda de tempo, só as sequências com carros andando. Alá:





Close encounters

É nesse domingo, dia 25, o quinto encontro dos Antigomobilistas de Interlagos. Mais uma vez vai ser no agradável entorno do Viveiro Jacques Cousteau, em Interlagos.

O endereço pra colocar no GPS é Rua Catanumi, 60.

Das 08:30 até as 13:00.

Vette!

Tá a caminho, o carro. Já tinha falado desse Corvette aqui. Então fiquei sabendo ainda agora que ele está a caminho, já. Já saiu da casa velha e tá indo pro porto, onde vai ser embalado:



Grande Premio de Trípoli, 1937


Bárbaro isso. 

Não sou fã de Formula 1 a ponto de saber tudo sobre corridas desde antes da nova denominação dada em 1950 para os carros de grand prix. Nem sei tudo sobre os carros dessa época em diante. Acompanhei a F1 mais de perto de 1968 até 1980, só.

Nunca tinha visto nenhum filme sobre os carros de grand prix e nem me interessei em saber sobre eles, confesso. Mas um me chamou a atenção e foi o Mercedes W125. 




Esse carro tinha, em 1937, perto de 600 hp, mais ou menos 750 kg, soluções mecânicas sofisticadíssimas e passava dos 300 km/h. Alá em cima que lindo o motor de oito cilindros em linha sobrealimentado com compressor do tipo roots. O carro inteiro é lindo. Pequeno, esguio, leve. Como um carro de corridas deve ser.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Sexy!

50 cc

Quem é que não começou a andar de moto numa cinquentinha? Eu aprendí a andar numa Suzuki A 50 II. Era grande a moto (ou eu que era pequeno?). E era bonita. Todo mundo tinha cinquentinha, menos os filhos de pais arrojados. Mas isso é outro problema.

E...

Sem querer acabei tropeçando num site que só tem cinquentinha (vá lá, tem sessentinha e oitentinha também).

Alá que bonitinhas, as pequenas bastardas:




Trata-se de um clã italiano de colecionadores e admiradores de motos bem pequenas. Eles não deixam copiar ou divulgar o conteúdo. Eu escreví pra eles pedindo pra publicar fotos aqui faz uns 15 dias e não me responderam. Então vai sem permissão mesmo.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Em alta velocidade

Não lembro se já botei Fernanda Abreu pra tocar aqui. Se já, vai outra vez.

RD 350 found!



Não se deixa sem registro uma RD 350 como esta.

Royal cafe

Eu já tinha falado rapidamente sobre a Royal Enfield, que tá sendo feita outra vez sob licença na India. Agora achei uns caras na Bélgica que são dealers e fazem transformações em motos (odeio os termos customização, motorização, coxinização...).

T-Factorbikes, é o nome da empresa deles.

Já tinha dito também que do remake da Royal Enfield podia sair uma cafe racer digna de ser notada.

Alá a Royal depois de passar pela máquina de espresso dos "bélgicos":







quarta-feira, 14 de março de 2012

The big one

Muito difícil eu falar de Formula 1, mas acabei de ver este video:


É da classificação ou treino, sei lá, da edição de SPA de 1980 e pouco (quem conhece bem F1 que traga a info correta para os comments que eu conserto o texto depois).

A panca do Zanardi não interessa muito, apesar de ter sido bem forte. O que chama a atenção é o fato do Ayrton Senna entrar na praça de guerra que o Zanardi deixou instalada a milhão, quase que ele mesmo estampando forte o muro.

Me peguei pensando nisso de uns dois ou três anos pra cá. E pra falar a verdade, comecei a ficar mais lento em corridas de kart.

Já falei que além da técnica de pilotagem a gente usa uma força interior, o Chi, pra guiar rápido. Bom, eu uso isso, pelo menos e não me tem feito mal.

Só que tudo muda depois da primeira panca realmente forte que a gente dá, como veremos adiante.

A gente anda não focado no que tá acontecendo no momento mas no que vai acontecer segundos adiante. O que o carro/kart tá fazendo no momento atual a gente já equacionou mentalmente e o corpo já tá tomando as atitudes necessárias pra que o kart/carro faça.

Acredito que o Ayrton tenha entrado na Eau Rouge pensando onde ia botar o carro na saída enquanto fazia o grande S do meio. Terminado o S ele já tava começando e tirar o carro pra reta e já pensando lá adiante na freada pra curva no fim da longa reta em subida e muitíssimo ocupado com isso.

Do nada aparece o monte de sucata de Lotus na pista e... só restou cravar o freio e esperar não bater em nada com muita violência.

Deu certo, pra ele (pro Zanardi, não).

Pra mim foi parecido só que pior, guardadas as devidas proporções. Eu fazendo a qualificação de uma corrida noturna sob chuva sem nenhuma importância e era a primeira vez que tava indo pra pista depois de quase ter perdido a visão do olho direito por conta de uma contaminação com pó de fibra-de-vidro.

A reta da arquibancada do kartódromo de Interlagos não é reta. Tem duas curvas rápidas no meio, feitas flat out no seco e quase isso no molhado. Juntando isso com a péssima iluminação do kartódromo, mais a viseira embaçada do meu capacete, menos 50% de visão e mais o Chi que eu já tinha projetado para a freada da curva da balança, não percebí que já tinha kart parado na pista para a formação do grid de largada.

Óbvio, enchí a traseira de um kart parado praticamente dando velocidade final. Batí no kart parado pisando no acelerador e assim continuei até entender o que estava acontecendo nos 2 ou 3 décimos de segundo seguintes.

Resultado: um fêmur trincado.

Assusta, isso, porque fêmur aguenta MUITA carga até que se rompa.

Assusta mais porque a gente passa a botar na conta da pilotagem a possibilidade de acontecer um imprevisto que a gente não esteja focando e do qual a gente não vai ter tempo de desviar ou fazer qualquer coisa pra minimizar o impacto.

Risco do esporte ou não, tenho medo de agulha e de anestesia.

2019

Poucos filmes me fazem ligar o VCR (é. Tenho isso ainda). Blade Runner é um deles. A versão pra tela grande do Ridley Scott de 1982 é demais. Raro caso de um filme ser mais legal que o livro de onde saiu o roteiro, como é o caso desse de Phillp K. Dick (he he he... dickhead), chamado Do Androids Dream of Electric Sheep?

Tava procurando alguma cena realmente antológica pra botar aqui mas...

Mentira.

Eu queria era botar essa mesma da aplicação do teste de Voight-Kampff, que determina se o paciente é andróide ou humano:


2019, que é o ano em que se desenrola a trama, tá aí, já. Andróide que é bom, cadê? O máximo que tô vendo nesse sentido são telefones com sistema operacional Android. Bons, mas...

Não tão legais como o Leon.

E...

Acredito que eu não passe no teste de Voight-Kampff também.

Who the hell?!


Alguém conhece essa moçadinha aí de cima?

Provavelmente, não.

Um faz isso:


Outros, isso:


E os outros são...


Eles fazem isso aqui:



E eu tava na locação da filmagem do clip novo deles, com minha cam. A primeira foto, a da lage, não é minha mas tá todo mundo: banda, moçada que tá produzindo o clip e o cara do desenho na parede. 

Melhor de tudo: encontrar uma parte da banda tomando a última cerva do dia no mesmo lugar que eu. Melhor ainda, L. conhece os caras! 

Rá!

Mundinho pequeno, esse.





What colour is that?

segunda-feira, 12 de março de 2012

Very deep


A dica é do L.G., leitor assíduo e grande engenheiro e degustador de automóveis e motocicletas. Só que o cara tem relativamente pouca idade. Isso é coisa de gente com a minha idade. Só que a gente (da minha idade) tá é com vontade de ouvir releases de 2010 em diante, já. 

Tem alguma coisa errada aí.

He he he...

Mas Deep Purple é sempre legal.

sábado, 10 de março de 2012

Enquanto isso, num estacionamento...


Alá um dos comentários que deixaram sobre esse video: "I'm responsible for at least 100 of the last views. . . with in the past 5 hours. . . . seriously. . . probably gonna be responsible for the next hundred, I aint even gonna lie this is damn wonderful"

Shovels & Rope

Demais!



quinta-feira, 8 de março de 2012

Wrecked Metals

video

Tá bom, vai. Mais um video bonitinho sobre hot rods. Mas esses tão do jeito certo. E a diversão, no fundo, é fazê-los.

(acho que agora acertei a mão na qualidade do video)

Bill Haley?

Nah! 

AURÉLIO e seus Cometas



Dica da L., claro, sempre antenada.


quarta-feira, 7 de março de 2012

Sweet!


Pena que tá cheio de ignorante dirigindo que não leva isso em consideração. Eu levo, e muito, já que ando bastante de moto e de scooter. Não é nada agradável mergulhar no freio porque um imbecil tá furando o sinal vermelho e pouco se danando com a tua saúde óssea.