sexta-feira, 20 de julho de 2012

Shifting gears

E-mail mandado por um ouvinte do ótimo podcast ButecoRacing do meu amigo Stênio Campos (e mais alguns caras), que trata de corridas de F1 basicamente. É o Fabio Afonso, que tem razão no que diz:


"Apenas para compartilhar com os amigos, antes que também acabem.


Tenho visto o fim de algumas coisas:
- as caçadas de passarinho, tatu, rã, por causa dos ecochatos e porque é crime inafiançável. Pode matar o vizinho, mas não uma capivara.
- as pescarias, que muitos chamavam de “pescanagem”, por causa dos pesqueiros.
- os “chapas”, por causa do GPS dos caminhoneiros.
- a educação das crianças, por causa do Estatuto do Menor.
- os cavalheiros que se levantavam dos bancos para que as damas se sentassem, por causa do transporte público sem investimento.
- das boas trepadas, com “couro no couro”, por causa da AIDS e camisinha.
- as rodinhas de fumantes, com cigarros, charutos e cachimbos, por causa do câncer de pulmão.
- as virgens. Isso não tem mais mesmo.

E outras cositas más.

Mas ontem cheguei à conclusão que nosso maior prazer também vai para os quiabos: as corridas de automóvel.

Jogando Grand Turismo 5, participei da GT Academy, ganhei um Nissan Leaf Elétrico, símbolo do campeonato online da Sony/Playstation.

Vai daí que há uma corrida online, com tempos do mundo inteiro.

Belê, vamos preparar o carro: redução de peso OK, capô de carbono OK, janelas de acrílico OK , suspensão full customizada OK, motor INDISPONÍVEL, escapamentos INDISPONÍVEL, turbo INDISPONÍVEL, admissão e filtros INDISPONÍVEL, não tem como alterar nada

Até aí, tudo bem.

Corrida: NÃO TEM BARULHO. Não há indicação de marchas, apenas um D no painel. Não há redução nem aceleração, nem punta-tacco, apenas um zumbido de pernilongo. Não tem mais aquele papo de piloto: curva tal em 1a marcha, curva tal em 3a marcha. Você entra nas curvas e não tem indicação de referência de velocidade, apenas o cantar dos pneus...

Acabou o prazer, o tesão. Acho que somos a última geração de apaixonados com gasolina na veia.
Podem chamar de saudosista, purista, etc, mas que acabou, acabou..."

É disso que o Fabio tá falando.