domingo, 17 de junho de 2012

24 Horas depois...

Bom, já faz um certo tempo que se faz streaming de corridas importantes, como é a 24 Horas de Le Mans, em vários lugares. Por isso não tem cabimento falar dela em tempo real. Dá pra esperar acabar.

Os velocípedes de Ingoltstadt enfiaram quatro carros nos cinco primeiros lugares. Digno de nota, isso. Como digno de nota é o fato de que os carros de corrida da Audi não são como os de rua, ou, não tem tração dianteira. Carro, mesmo, tem que ter tração traseira.

Mas isso não é o mais importante.

Importante é isso aqui:


O Delta Wing da Nissan tomou uma encostada de um dos protótipos da Toyota. O conduzido por Nakajima. Foi desse jeito, a porrada:


Pelo regulamento dessa corrida e de várias outras, um carro não pode sofrer intervenção de ninguém quando avariado na pista a não ser de seu piloto. 

Regra de corrida, como qualquer outra. 

Mas leva a uma reflexão legal: é muito difícil encontrar hoje um piloto que saiba fazer algo mais por seu carro de corrida do que pilotar. Pilotos, hoje, se preocupam mais com marketing do que com teoria e prática, especialmente a prática, de ajuste de um carro de corrida.

É um aspecto que sempre me intrigou. Fui treinado para saber mandar, em qualquer âmbito (não que tenha sido bem sucedido em todos os âmbitos...). Mandar passar roupa, por exemplo. Levo camisa à lavanderia e sei o que pedir pra fazer porque sei passar roupa. Levei, aliás, um dos meus macacões para lavar depois de anos de suor e graxa (lavar macacão dá azar, como todo mundo sabe) e avisei que não precisavam se esmerar a ponto de tirar toda e qualquer mancha de óleo ou graxa. Bastava lavar uma vez e pronto. Mas não. Resolveram tirar todas as manchas. Algumas viraram buracos. Limpinhos, mas buracos.

Voltando aos carros de corrida, deve-se, creio eu, saber o que pedir para os mecânicos e preparadores fazerem. Ou no mínimo dar o máximo de informação possível para que eles tentem ajustar o carro da melhor forma. Nunca acreditei em piloto que pára o carro e simplesmente reclama que não faz curva ou que o motor não empurra o suficiente. Tem que saber porquê. Tem que investigar o motivo de cada comportamento do carro na pista.

Mas...

O Delta Wing.

De dar pena a situação do piloto que estava nele no stint em que tomou o chega prá lá de um Toyota. Mecânicos pra lá do alambrado ajudando o pobre coitado a pelo menos fazer com que o carro voltasse pro box pra ser reparado e poder continuar na corrida. Visível que sabe muito pouco sobre o carro que pilotava. 

Mas teve dignidade pra tentar fazer alguma coisa. Isso tem valor.

Update


Achei esse outro video do S. Motoyama tentando levar o Delta pro box.